Informação e conhecimento, tudo ao seu alcance!

Cigarro e psicoterapia: como a terapia pode ajudar a acabar com o vício

Cigarro e psicoterapia: como a terapia pode ajudar a acabar com o vício

A psicoterapia possui recursos que podem ajudar a abandonar essa dependência.

Entenda a relação cigarro e psicoterapia e como a terapia pode ajudar a acabar com o vício.

Por muito tempo, o hábito de fumar foi associado à rebeldia e ao poder. Nos programas de televisão ou nas propagandas, eram mostradas pessoas fumando e conquistando tudo o que sempre desejaram na vida, passando a ideia de que o hábito de fumar levava a uma vida elegante, feliz e realizada.

O problema é que a realidade estava bem distante dessa ideia de sucesso vendida nas mídias, e quando o número de mortes por câncer de pulmão e outras doenças sérias relacionadas ao tabagismo começaram a ganhar destaque, houve uma verdadeira revolução no modo de pensar. 

 

Informar é sempre mais importante do que proibir

No Brasil, as leis mudaram e, com a proibição da veiculação de propagandas com exposição de pessoas fumando, o número de fumantes reduziu consideravelmente no país. Apesar disso, o número de fumantes ainda é grande, e muitos tabagistas relatam ter muitas dificuldades para abandonarem esse vício que tanto os aprisiona.

E como informar adequadamente é sempre muito mais importante e eficaz do que simplesmente proibir, seguem alguns dados que todos precisamos conhecer, a fim de sermos capazes de tomar decisões de forma consciente a respeito do hábito de fumar.

 

Uma droga chamada nicotina

Antes de mais nada, é preciso saber com o que estamos lidando. A nicotina é uma droga, uma substância química com alto poder viciante, presente em todos os derivados do tabaco.

É preciso deixar claro que o tabaco é uma planta cuja origem de uso remonta a cerca de 1000 anos antes de Cristo e que, apesar de tudo, inicialmente era apenas utilizado em cerimônias indígenas e posteriormente em outras sociedades para fins medicinais. Com o tempo, no entanto, passou a ser associado ao desenvolvimento de inúmeras doenças cardiorrespiratórias.

 

Atuação no sistema nervoso central

Atualmente, além dos efeitos tóxicos, já se sabe que a nicotina é um psicoativo neuroestimulante, ou seja, que atua diretamente no sistema nervoso central, influenciando o metabolismo do corpo, alterando as funções cardíaca e respiratória, aumentando a pressão arterial e reduzindo o apetite. 

Contudo, alguns pesquisadores chegaram à conclusão de que fumar produz uma melhora nas funções cognitivas, aumentando a concentração, a memória e a atenção. Com base nesse tipo de resultado, a indústria milionária do tabaco se fortalece e busca reforçar o comportamento dos tabagistas mundo afora, a despeito de todos os malefícios que o cigarro pode trazer ao fumante.

 

Quer conversar sobre o assunto? Agende uma consulta!

 

Sensação de prazer e bem-estar

A nicotina atua como substância psicoativa, atingindo a parte do cérebro responsável pela sensação de prazer e bem-estar. Desta forma, o fumante busca cada vez mais repetir o uso para obter novamente os mesmos efeitos relaxantes – que duram cada vez menos – e esse ciclo vicioso é o que gera a dependência.

É preciso compreender que os efeitos de substâncias como a nicotina ainda não foram totalmente compreendidos, mesmo com muitos estudos e pesquisas a respeito. Alguns fumantes relatam que o fumo causa uma diminuição dos sintomas de ansiedade, mas, assim como não há como provar essas afirmações, tampouco há estudos que comprovem o contrário.

O que se sabe é que fumar ocasiona um aumento da produção de dopamina (o neurotransmissor responsável pelas sensações de prazer e alívio da dor), além de uma descarga de adrenalina.

Desta forma, a ausência da nicotina no corpo de um dependente causa o efeito neuroquímico inverso, ou seja, aumento da irritabilidade, insônia, dificuldade de concentração, excesso de apetite e até depressão. Leia também Dependência psicológica do cigarro: confira 5 indícios do problema.

 

Malefícios à saúde física

O consumo de nicotina pode se dar de várias maneiras. A mais comum é a inalação de fumaça do cigarro, seja pelo hábito de fumar ou por estar próximo a um fumante (os intitulados fumantes passivos).

Essa exposição inicialmente irrita a mucosa do aparelho digestivo e dos pulmões e pode, com o tempo, acarretar doenças cardiorrespiratórias mais graves, além da dependência química em si.

Há também os cigarros eletrônicos – um tipo de vaporizador de nicotina líquida aliada a outras substâncias. Em tese, esse tipo de cigarro é menos prejudicial à saúde, chegando a ser aceito em alguns países como uma técnica para reduzir o consumo ou mesmo abandonar o tabagismo. No entanto, não há evidências científicas desses efeitos e no Brasil ainda são proibidos seu consumo e comercialização.

As doenças mais comumente associadas à exposição – voluntária ou involuntária – à fumaça de cigarro são, a curto prazo, reações alérgicas como rinite, tosse, conjuntivite ou agravamento de asma.

Quando essa exposição se prolonga, pode acarretar problemas mais graves como infarto agudo do miocárdio, bronquite crônica, enfisema ou câncer de pulmão. Leia também Cigarro e seus riscos reais.

 

Cuidado com sobrecargas aos adultos

Alguns profissionais costumam recomendar adesivos ou chicletes específicos, que possuem quantidades menores de nicotina, com a finalidade de tratamento da dependência. Contudo, é bom lembrar que se trata de uma substância tóxica, que pode levar à morte, independentemente da idade do indivíduo que se exponha a ela.

Para evitar sobrecarga de nicotina no corpo e overdoses, não se recomenda aos adultos continuar fumando enquanto usam esse tipo de produto.

 

Atenção redobrada às crianças

Por motivos muito óbvios, é necessário redobrar os cuidados, especialmente em se tratando de crianças, pois elas podem ter acesso aos líquidos dos cigarros eletrônicos, bem como a adesivos ou chicletes de nicotina e acabarem consumindo-os inadvertidamente.

Nesses casos, conhecer os sintomas de intoxicação mais comuns (vômito, desmaio, taquicardia, dor de cabeça e dificuldade para respirar) pode fazer toda a diferença para o socorro no devido tempo.

 

Porta aberta para outras substâncias químicas

Embora haja muitas campanhas antifumo no Brasil, o cigarro comum não é ilícito.

Com isso, pela facilidade com que é encontrado e consumido abertamente, muitas vezes se torna uma porta para o desenvolvimento de dependência de outras drogas.

Mesmo porque a maior parte dos tabagistas começa a fumar ainda jovem – geralmente na adolescência, uma fase natural de necessidade de aprovação alheia e de  experimentações, que os torna frágeis e facilmente vulneráveis à dependência tanto do cigarro quanto de quaisquer outras drogas que lhes sejam oferecidas.

 

Artigos Relacionados

 

Cigarro e psicoterapia: como a terapia pode ajudar a acabar com o vício

A psicoterapia, por sua vez, possui recursos que podem ajudar a quem deseja abandonar essa dependência química.

O tratamento parte da conscientização do dependente a respeito do fato de que o hábito de fumar é um vício que esconde alguma necessidade interna do indivíduo, e busca caminhos para mudar esses comportamentos. Assim, na relação cigarro e psicoterapia se trata a causa, ou seja, aquilo que está realmente levando a pessoa a escolher o fumo, que tantos prejuízos traz à saúde.

O tratamento é altamente profissional, individualizado, e costuma obter bons resultados na maioria dos casos. Via de regra, quem busca tratamento sente, desde o início, uma considerável redução da chamada “fissura”, isto é, a dependência físico-química (vontade desesperada de fumar), que, aos poucos, vai sendo substituída por hábitos saudáveis e que prolongam a vida.

Vale destacar que as campanhas antitabagismo no Brasil já alcançaram resultados expressivos, mas que, sozinhas, não servirão de nada. É preciso que as pessoas se conscientizem a respeito do mal que fazem a si mesmas e a todos à sua volta, e busquem a devida ajuda para se livrarem de hábitos tão destrutivos.

 

A Clínica Marcelo Parazzi

Se você ou algum familiar está sofrendo com a dependência psicológica do cigarro, ou quer saber mais sobre a relação cigarro e psicoterapia, nossa clínica pode ajudar.

Além de se fundamentar na Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) e oferecer todo o tratamento tradicional por meio de psiquiatras, psicólogos e psicanalistas para tratar dependência de tabaco, ansiedade, depressão e outros transtornos, a Clínica Marcelo Parazzi também dispõe de Terapia Holística, que desenvolve estratégias terapêuticas como Reiki, Yoga, Meditação, Constelação Familiar e Mindfulness (Consciência plena), para auxiliar no alcance de melhores resultados nos tratamentos dos pacientes, que são, comprovadamente, grandes aliados na recuperação desses indivíduos.

Estamos à disposição para auxiliar com a Terapia à Distância, realizando atendimento via Skype, inclusive para pessoas que residem fora do país.

Agende sua primeira consulta. Ela é gratuita!