fbpx

Vício em jogos pode levar à depressão?

Início > Blog > Vício em jogos pode levar à depressão?

Vício em jogos pode levar à depressão?

 

Nos últimos anos, o mundo dos jogos eletrônicos tem se expandido exponencialmente, oferecendo uma ampla gama de experiências imersivas e emocionantes para os jogadores.

No entanto, essa crescente popularidade dos jogos também trouxe à tona preocupações sobre os efeitos negativos do vício em jogos, especialmente quando se trata de saúde mental.

Para compreender melhor o impacto desses efeitos na vida das pessoas hoje em dia, buscamos saber como o vício em jogos pode levar à depressão e as diversas possibilidades que a psicologia oferece para tratar esses danos que o excesso de tempo diante das telas pode gerar ao bem-estar físico e emocional.

 

Nosso cérebro e o excesso de jogos

Antes de saber se o vício em jogos pode levar à depressão, é importante entender o que acontece com o cérebro quando jogamos demais.

Quando nos envolvemos em atividades prazerosas, como jogar videogames, nosso cérebro libera neurotransmissores como a dopamina, associada à sensação de prazer e recompensa.

No entanto, o excesso de jogos pode levar a uma sobrecarga desses neurotransmissores, resultando em uma diminuição da sensibilidade de seus receptores e, consequentemente, em uma necessidade cada vez maior de estimulação para alcançar os mesmos níveis de prazer.

Esse ciclo vicioso pode levar ao desenvolvimento do vício em jogos, além de contribuir para problemas de saúde mental, como a depressão. 

Leia também Vício em games é considerado transtorno de saúde mental.

 

Artigos Relacionados

 

 

Alterações cerebrais

Algumas das alterações cerebrais mais flagrantes em decorrência do excesso de jogos são:

 

Falta de sono

Passar longas horas jogando videogames muitas vezes leva à privação de sono, pois os jogadores podem ficar acordados até altas horas da noite imersos em seus jogos favoritos.

Absolutamente todos os jogos são originalmente programados para prender a atenção do jogador: as cores, luzes, sons, tudo é devidamente pensado e utilizado para manter conectado o usuário pelo maior tempo possível, o que normalmente já induz a ficar acordado por várias horas.

Além disso, esses mesmos recursos multimídia geram uma sensação de euforia e o bloqueio da produção de melatonina, o que culmina tanto na dificuldade para adormecer quanto na péssima qualidade de sono, caso se tente dormir.

A falta de sono adequado não só afeta o funcionamento cognitivo e a saúde física, mas também está fortemente associada a problemas de saúde mental, incluindo depressão e ansiedade.

Entenda a diferença entre ansiedade e depressão.

 

Níveis elevados de estresse

Embora os videogames possam proporcionar momentos de diversão e entretenimento, também é comum que os jogadores experimentem níveis elevados de estresse e irritação, especialmente quando enfrentam desafios difíceis, quando competem em ambientes online ou mesmo nos momentos em que não conseguem jogar, o que já pode ser um indício de vício.

O estresse crônico pode ter um impacto significativo na saúde mental, aumentando o risco de desenvolver depressão e outros distúrbios psicológicos.

 

Malefícios para o corpo

Além dos impactos óbvios na saúde mental, o vício em jogos também pode causar diversos prejuízos ao corpo, afetando desde a postura até a visão e audição dos jogadores.

Alguns dos principais efeitos do excesso de jogo geralmente incluem:

 

Sedentarismo

O vício em jogos muitas vezes está associado a um estilo de vida sedentário, no qual os jogadores passam a maior parte do tempo sentados, alimentando-se de maneira inadequada e se exercitando infinitamente menos do que o recomendado. 

O sedentarismo aumenta o risco de obesidade, doenças cardiovasculares e outras condições de saúde, o que por sua vez também pode afetar negativamente o bem-estar emocional.

 

Má postura

Você já notou o layout das cadeiras gamers? Elas são devidamente modeladas de forma a proporcionar o relaxamento do jogador.

O problema é que, numa tentativa de se manter confortável, o jogador permanece mais horas jogando, e não há parte do corpo humano que suporte isso sem danos.

E a situação só piora, porque o corpo humano não se mantém saudável quando fica somente sentado. É preciso que a pessoa se movimente, alongue os músculos e se exercite vez ou outra, o que os jogadores menos fazem, pois o jogo os mantém atentos constantemente à tela, fazendo com que passem longos períodos sentados em frente ao computador ou televisão.

Isso fatalmente resulta em dores musculares, especialmente nas costas, pescoço e ombros. Além disso, uma postura inadequada prolongada durante o jogo pode contribuir para o desenvolvimento de problemas musculoesqueléticos a longo prazo.

 

Disfunções visuais 

O uso excessivo de telas pode levar a uma série de problemas visuais, como a síndrome da visão do computador (CVS), que se caracteriza por sintomas como olhos secos, fadiga ocular, visão embaçada e dores de cabeça.

Passar muitas horas diante de uma tela, especialmente sem pausas regulares, força os olhos a se ajustarem constantemente a diferentes distâncias e iluminações, resultando em esforço ocular contínuo.

Além disso, a exposição prolongada à luz azul emitida pelas telas pode causar danos à retina e aumentar o risco de degeneração macular a longo prazo.

 

Perda auditiva

Quanto à audição, o uso frequente de fones de ouvido em volumes elevados, uma prática comum entre jogadores, pode levar a perda auditiva induzida por ruído (PAIR).

Este tipo de perda auditiva ocorre devido à exposição prolongada a sons altos, que danificam as células sensoriais do ouvido interno.

Os jogadores que participam de ambientes de jogos imersivos, onde o som é um componente crucial da experiência, muitas vezes aumentam o volume para níveis potencialmente prejudiciais, sem perceber os riscos.

Além desses problemas, a imersão em jogos pode levar a uma falta de percepção dos sinais de alerta do corpo, como dores de cabeça ou zumbidos nos ouvidos, que são indicativos de danos causados por estímulos excessivos.

Portanto, é crucial que os jogadores adotem medidas preventivas, como o uso de filtros de luz azul, pausas regulares para descanso ocular, e a manutenção de volumes seguros ao usar fones de ouvido, a fim de proteger tanto a visão quanto a audição.

 

Afinal, o vício em jogos pode levar à depressão? 

Sim! Existem várias razões pelas quais o vício em jogos pode levar à depressão. Além dos impactos diretos no funcionamento do cérebro e nos níveis de estresse, o isolamento social também desempenha um papel importante.

Muitas vezes, os jogadores viciados em videogames podem se retirar do convívio social e negligenciar relacionamentos importantes, o que pode levar à solidão e depressão.

 

Sinais de que o vício em jogos pode levar à depressão

A depressão resultante do vício em jogos pode se manifestar de várias formas. Alguns sinais comuns incluem:

  • Perda de interesse em outras atividades: O jogador perde o interesse em hobbies e atividades que antes eram prazerosas.
  • Alterações no apetite e peso: Podem ocorrer tanto aumento quanto diminuição significativos no apetite e no peso.
  • Mudanças no sono: Insônia ou hipersonia são comuns entre aqueles que sofrem de depressão.
  • Fadiga e perda de energia: Sentir-se constantemente cansado e sem energia é um sinal frequente.
  • Sentimentos de inutilidade ou culpa: O jogador pode se sentir inadequado ou ter sentimentos de culpa excessivos.
  • Dificuldade de concentração: Problemas para se concentrar ou tomar decisões são comuns.
  • Pensamentos de morte ou suicídio: Em casos graves, podem surgir pensamentos de morte ou ideação suicida.

Outros transtornos associados ao vício em jogos

Além da depressão, o vício em jogos também pode estar associado a outros transtornos mentais, como ansiedade, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e transtorno de ansiedade social.

Alguns desses transtornos podem se desenvolver como resultado do uso excessivo de jogos e das consequências negativas associadas a ele, como, por exemplo, o Transtorno dos Jogos Eletrônicos (TJE).

Trata-se de uma condição reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) caracterizada pelo padrão de comportamento de jogo persistente ou recorrente, que se manifesta tanto online quanto offline.

Os sintomas incluem perda de controle sobre o jogo, priorização do jogo em detrimento de outras atividades e continuação do jogo, mesmo com consequências negativas. O TJE pode levar a uma série de problemas de saúde mental, incluindo isolamento social e depressão.

 

Alternativas saudáveis para combater o jogo em excesso

Sabendo que o vício em jogos pode levar à depressão, é preciso lutar contra esse  problema.

Para aqueles que desejam reduzir o tempo dedicado a essa atividade, é importante buscar alternativas saudáveis e que possam ser igualmente gratificantes.

E embora pareça difícil imaginar que alguma atividade saudável consiga competir com a sensação de gratificação imediata – e prejudicial – dos jogos, existem inúmeras coisas que se pode fazer para obter, de forma saudável, o mesmo efeito gratificante e prazeroso que o cérebro entende como uma “recompensa”.

Isso pode incluir a prática de atividades físicas, como esportes ou caminhadas ao ar livre, participação em hobbies criativos, como arte ou música, e investimento em relacionamentos sociais significativos.

Além disso, é fundamental estabelecer limites claros em relação ao tempo gasto com jogos e buscar ajuda profissional, se necessário.

 

Ajuda especializada

Buscar ajuda profissional, como Terapia Cognitivo-Comportamental, por exemplo, pode ser vital para quem enfrenta sintomas de depressão ou outros transtornos relacionados ao vício em jogos.

Os videogames até podem ser uma fonte valiosa de entretenimento e aprendizado, desde que sejam usados com moderação. O desafio, no entanto, está em manter um equilíbrio saudável, garantindo que o jogo não se torne uma atividade dominante e prejudicial.

Ao promover hábitos saudáveis e buscar apoio quando necessário, é possível desfrutar dos benefícios dos jogos eletrônicos sem sacrificar a saúde mental e física, priorizando sempre o bem-estar e uma vida equilibrada.

Quer conversar sobre o assunto? Agende uma consulta!

 

Clínica Marcelo Parazzi

Se você ou algum familiar não sabe como se livrar do vício em jogos, a nossa clínica pode ajudar.

Nossa abordagem combina Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC), por meio de tratamentos tradicionais com psiquiatras, psicólogos e psicanalistas, e terapias complementares que comprovadamente auxiliam nos resultados do tratamento.

Oferecemos Terapia à Distância para pessoas que residem fora do país. Agende sua avaliação e dê o primeiro passo para a recuperação.

ARTIGOS RELACIONADOS

O que é depressão

Conhecida atualmente como o “mal do século XXI”, a depressão é uma das condições de saúde mental mais comuns e debilitantes do mundo, e […]

Continuar Lendo

Crise de ansiedade: 5 dicas para controlar um desequilíbrio súbito

As crises de ansiedade já podem ser consideradas um dos maiores males da atualidade.  Hoje em dia, tornou-se praticamente impossível não pertencer a essas […]

Continuar Lendo