fbpx

Vício em apostas: entenda o perfil e os sintomas

Início > Blog > Vício em apostas: entenda o perfil e os sintomas

Vício em apostas: entenda o perfil e os sintomas

Embora a ludopatia seja reconhecida pela Organização Mundial de Saúde desde a década de 1980, o termo ainda é bastante desconhecido e até parece complicado. 

Como o próprio nome diz, “ludo” remete aos jogos, enquanto “patia” significa doença. Desta forma, na junção, se obtém como definição termos como “transtorno do jogo” ou “vício em apostas”.

Infelizmente, essa é uma realidade que atinge diversas pessoas em todo o mundo. O vício em jogos cresce no Brasil e tem afetado a vida de muitos, levando a consequências sérias e, em alguns casos, irreversíveis. 

A facilidade de acesso a jogos de azar, tanto presenciais quanto online, tem contribuído cada vez mais para o aumento do vício em apostas. E talvez o mais importante a se saber é que o vício em apostas não escolhe perfil específico: pode afetar tanto jovens quanto idosos, homens e mulheres, de diversas classes sociais. 

A variedade crescente de opções de jogos disponíveis torna a ludopatia uma ameaça para qualquer pessoa minimamente propensa a comportamentos impulsivos e compulsivos.

Além disso, a explosão do número de acessos é intensificada pelas propagandas veiculadas em redes sociais e relacionadas a nomes de famosos e bem-sucedidos esportistas, como jogadores renomados de futebol, por exemplo.

Dessa forma, ao associar a ideia de que são necessárias quantias aparentemente pequenas para obter resultados similares aos de um jogador famoso, o indivíduo é impelido a apostar constantemente, construindo rapidamente um hábito que acaba se revelando compulsivo e, por consequência, completamente destrutivo.

 

Uma dependência como qualquer outra

Assim como em qualquer outro vício, quem desenvolve o vício em jogos acredita desde o início que o jogo não é um problema, que conseguirá parar de jogar quando quiser, e todos os clichês que acompanham qualquer dependência.

Contudo, o efeito interno gerado no cérebro é o mesmo: a euforia, o prazer e a excitação causadas pelo jogo vão sendo cada vez mais uma necessidade constante, e em doses sempre maiores.

Com o tempo, toda vez que obtém um mínimo ganho, a sensação parece tão boa para o jogador que ele acaba desejando mais e mais, pois há uma dependência dos chamados “picos de prazer”, que podem ser buscados não só nos jogos, mas também em outras dependências simultâneas, como álcool e drogas, o que pode impactar negativamente não só a vida do jogador compulsivo em si, mas também a de todos os que o rodeiam, como familiares e amigos próximos.

 

Vício em apostas: o perfil

Às vezes, identificar se você ou alguém próximo está enfrentando um vício em apostas pode ser desafiador, pois muitas vezes os sinais são sutis e podem ser negligenciados.

Alguns estudos recentes revelaram que o grupo com maior propensão a distúrbios como a ludopatia é formado por homens entre 30 e 50 anos, normalmente com perfil competitivo e desempregados.

No caso dos indivíduos estudados e que possuíam um emprego, geralmente se constatava uma renda baixa, e algumas vulnerabilidades, como dificuldades de serem aceitos socialmente.

Um estudo de pesquisadores da USP apontou que cerca de 12% dos brasileiros já apostaram pelo menos uma vez.

O jogo entra na vida dessas pessoas como uma tentativa de ganhar ou multiplicar o pouco que possuem, ou ainda como uma forma de alcançar certa popularidade.

 

Sintomas

Alguns dos sintomas mais comuns do vício em apostas incluem:

  • Compulsão: Incapacidade de resistir ao impulso de jogar, mesmo quando consciente das consequências negativas.
  • Preocupação Excessiva: Pensamentos constantes sobre jogos de azar, planejando a próxima aposta mesmo em situações inapropriadas.
  • Aumento nas Apostas: Necessidade de apostar quantidades cada vez maiores de dinheiro para alcançar a mesma emoção.
  • Inquietação e Irritabilidade: Sentimentos de inquietação e irritação quando tenta parar de jogar.
  • Falta de Controle: Incapacidade de interromper ou controlar o comportamento de jogo, mesmo diante de perdas significativas.
  • Mentiras e Enganos: Mentir para familiares, amigos ou terapeutas sobre a real extensão do envolvimento com o jogo.
  • Consequências Pessoais e Profissionais: Problemas financeiros, prejuízos nas relações familiares e no trabalho devido ao vício.

Se você ou alguém que você conhece apresentar alguns desses sinais, é crucial buscar ajuda profissional para a devida avaliação e o apoio necessário, não só por conta dos sintomas, mas também das codependências, ou seja, demais problemas que, associados ao vício em jogo, podem piorar o quadro, além de mascarar o correto diagnóstico.

Algumas dessas adicções complementares podem incluir o vício em drogas ou álcool, e os diagnósticos equivocados podem girar em torno de depressão, bipolaridade, alcoolismo e até tumores cerebrais.

 

Artigos Relacionados

 

Vício em apostas e os níveis de comportamento

Alguns especialistas inclusive mensuram o descontrole nas apostas em alguns níveis de comportamento.

Estes variam desde manter o controle das próprias emoções e sensações relativas ao jogo, passa por um nível intermediário, no qual ainda há algum controle, mas já demandando uma bela dose de esforço consciente, e pode alcançar um nível total de descontrole, quando há a necessidade de uma intervenção externa.

Neste último nível, o indivíduo, por si mesmo, não consegue controlar em absoluto o vício, parando apenas quando não há mais comida, dinheiro, por exemplo, ou mesmo a possibilidade de obtê-los.

 

Consequências do descontrole

Entre as consequências possíveis desse descontrole desmedido estão:

  • Aumento constante da compulsão por apostar;
  • Necessidade de apostar valores cada vez maiores;
  • Mudanças bruscas ou instabilidade de humor;
  • Tentar várias vezes parar de jogar, mas sem sucesso;
  • Pensar constantemente em jogo: avaliando como deveria ter feito, ou planejar como faria uma nova tentativa;
  • Sentimento de tédio ou angústia mediante demais formas de diversão, especialmente quando não envolvem apostas;
  • Ilusão de que conseguirá reaver o valor já perdido;
  • Negação do problema e isolamento social, sob a justificativa de que ninguém irá compreender;
  • Arrisca relacionamentos familiares, amizades, finanças e emprego em nome de apostar;
  • Depende cada vez mais de outras fontes de renda (não importando de onde venham) para sustentar o vício, podendo levar à falência total não só do viciado, mas também de todos os que o cercam.

Em alguns casos, quando essas consequências são percebidas, já se passou tempo demais. Daí a importância de ficar atento desde o início, quando se manifestar minimamente qualquer um desses sinais.

 

Tratamento para o vício em apostas

O tratamento do vício em apostas envolve uma abordagem multidisciplinar que engloba aspectos médicos, psicológicos e sociais. Aqui estão algumas das opções comuns de tratamento:

  • Aconselhamento Psicológico: A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) tem se mostrado eficaz no tratamento da ludopatia, ajudando a identificar e modificar padrões de pensamento disfuncionais;
  • Grupos de Apoio: Participar de grupos de apoio, como Jogadores Anônimos, oferece um ambiente de compreensão e compartilhamento de experiências com pessoas que enfrentam desafios semelhantes;
  • Tratamento Medicamentoso: Alguns medicamentos podem ser prescritos para tratar sintomas relacionados à ansiedade, depressão ou impulsividade, ajudando no controle do vício;
  • Aconselhamento Financeiro: Profissionais financeiros podem ajudar a desenvolver estratégias para lidar com dívidas e reconstruir a saúde financeira;
  • Suporte Familiar: O envolvimento da família é crucial para o sucesso do tratamento. Ter o apoio de entes queridos cria um ambiente de suporte durante a recuperação;
  • Tratamento Ambulatorial ou Internação: Dependendo da gravidade do vício, pode ser necessário um tratamento ambulatorial ou até mesmo internação em casos mais extremos.

 

É possível superar o problema

Assim como em qualquer outra forma de dependência, o vício em apostas é uma realidade séria que afeta a vida de muitas pessoas, com consequências que vão além do aspecto financeiro. Apesar de ser uma condição tratável, precisa de uma abordagem multidisciplinar.

Reconhecer os sinais precocemente e buscar ajuda são passos essenciais para a recuperação. Com o devido diagnóstico e o suporte adequado de profissionais, terapeutas e grupos de apoio, é possível superar o vício em apostas e retomar o controle da própria vida.

Dada a quantidade de pessoas que sofrem dessa patologia, o fato é que, muitas vezes, nem mesmo toda a estrutura disponível no SUS consegue suprir as demandas.

A melhor arma contra o aumento de casos de vício em jogos ainda permanece sendo a conscientização sobre os riscos da ludopatia, bem como a disseminação de informações sobre os problemas que ela pode acarretar ao viciado e a todos os que o rodeiam.

Quer conversar sobre o assunto? Agende uma consulta!

 

Clínica Marcelo Parazzi

Se você ou algum familiar não sabe como lidar com vício em jogos, a nossa clínica pode ajudar.

Nossa abordagem combina Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC), por meio de tratamentos tradicionais com psiquiatras, psicólogos e psicanalistas, e terapias complementares que comprovadamente auxiliam nos resultados do tratamento.

Oferecemos Terapia à Distância para pessoas que residem fora do país. Agende sua avaliação e dê o primeiro passo para a recuperação.

Vício em apostas: como identificar o problema - faça o teste!

ARTIGOS RELACIONADOS

Descobri que minha filha usa drogas, e agora?

“Descobri que minha filha usa drogas, e agora?” Qualquer pessoa, de qualquer idade, sexo, gênero ou poder aquisitivo, pode usar drogas e seu uso […]

Continuar Lendo

Perigos da dependência em jogos de apostas online

Com o avanço da tecnologia, os jogos de apostas online tornaram-se uma forma popular de entretenimento para muitas pessoas em todo o mundo. No […]

Continuar Lendo